Fechar

Acesso exclusivo

Esqueceu sua senha?

Esqueceu sua senha?

<< Voltar

MARQUE SUA CONSULTA


DERMATOLOGIA

SERVIÇOS

Clínica
Ver mais
/Clínica

Hiper-hidrose

A hiper-hidrose é uma condição que provoca o suor excessivo, mesmo em pessoas que estão em repouso. Há quem confunda com a sudorese – uma reação normal do corpo humano que atua na conservação da temperatura adequada. É importante considerar que é comum transpirar quando está calor, ou quando se prática atividade físicas, por exemplo, mas a hiper-hidrose extrapola o suor corriqueiro e gera incômodo e constrangimento. O acometimento pode surgir na infância, adolescência ou já fase adulta. Diferentes regiões podem ser afetadas: axilas, mãos, rosto, cabeça, pés e virilha.

O que é a Hiper-Hidrose

A sudorese excessiva, que é a hiper-hidrose, ocorre porque as glândulas sudoríparas funcionam para além do necessário. Existem diferentes causas para elas começarem a trabalhar de modo irregular, como fatores emocionais, hereditários ou doenças. Ao perceber a transpiração extrema, embaraçosa e desconfortável, deve-se procurar diagnóstico médico, dermatológico e psicológico, pois a transpiração excessiva pode gerar impactos nas relações, no bem-estar e na autoimagem.

Tipos de Hiper-Hidrose

Há dois tipos de hiper-hidrose: primária focal e secundária generalizada. A primária focal aparece na infância ou adolescência. Os acometidos não suam de modo tão intenso quando dormem ou em repouso. É hereditário, ou seja, mais pessoas da família costumam a ter. Afeta cerca de 3% da população. O outro tipo é a secundária generalizada, que proporciona transpiração excessiva em todas as áreas do corpo ou em áreas incomuns. Outra diferença é que se transpira excessivamente durante o sono.

Tratamentos Sugeridos

Existem vários tratamentos disponíveis, que podem ser prescritos por um dermatologista, como antitranspirantes específicos; remédios para desestimulação das glândulas sudoríparas (pouco utilizado devido aos efeitos colaterais); iontoforese, que se utiliza de pequenos choques para “desligar” temporariamente a glândula do suor e tentar regulá-las; aplicação de toxina botulínica nas axilas, mãos ou pés para bloquear temporariamente os nervos que estimulam a sudorese; ou a simpatectomia torácica endoscópica (STE), técnica recorrida em casos graves, em que se realiza um procedimento cirúrgico minimamente invasivo para “desabilitar o sinal” que estimula o corpo a suar excessivamente. Recentemente foi desenvolvido a tecnologia que utiliza micro-ondas para a redução do suor excessivo.

/comentários